2 coisas que você talvez não saiba sobre disjuntores #Dicasflash 9 1

Mais um vídeo das #‎DicasFlash no ar!

2 coisas que você talvez não saiba sobre disjuntores.
Me conte nos comentários a sua opinião e deixa eu saber o que você achou dessa dica.

Perdeu os vídeos anteriores? Assista aqui

2 DETALHES SOBRE DISJUNTOR “DIN” QUE VOCÊ TALVEZ NÃO SAIBA!

Conhecer a fundo as caraterísticas de funcionamento dos componentes elétricos é um diferencial nos profissionais da área elétrica. Qualquer eletricista conhece um disjuntor, mas poucos sabem como eles funcionam.

Dimensionar um disjuntor corretamente se torna mais específico do que simplesmente saber qual a corrente do circuito ou instalação ao qual se quer proteger, é preciso saber exatamente qual tipo de carga será instalada. 

A alimentação de disjuntores é feita por CIMA ou por BAIXO?

Com certeza você já ouviu algum profissional da área dizer que só podem alimentar disjuntores pelo terminal superior, e a saída para a carga deve ser no terminal inferior.

Então, pra deixar bem claro, isso é uma mentira! Os disjuntores em geral não são polarizados, você pode  ligar os cabos de entrada na posição superior ou inferior deles que não irá interferir em seu funcionamento.

As normas responsáveis pela regulamentação na fabricação de disjuntores comuns são NBRIEC 60898-1 e  NBRIEC 60947-1, e nelas não existe obrigação destes serem polarizados.

O que são as curvas dos disjuntores?

As curvas B, C e D são definidas para o disparo magnético do disjuntor. Cada curva determina a corrente que o disjuntor reconhece como um curto-circuito, tendo como referência a corrente nominal (In) do disjuntor.

Pela Norma ABNT NBR IEC 60898:

Curva B:

Disparo magnético entre 3 e 5 vezes a corrente nominal.

Exemplo : Um disjuntor de 20A nesta curva deve operar quando sua corrente de curto atingir entre 60A a 100A.

Os disjuntores curva B são usados normalmente em cargas resistivas, como tomadas de uso geral e chuveiros, onde a demanda de corrente de partida do equipamento é baixa.

Curva C:

Disparo magnético entre 5 e 10 vezes a corrente nominal.

Exemplo: Um disjuntor de 20A nesta curva deve operar quando sua corrente atingir entre 100A a 200A.

Os disjuntores de curva C são usados normalmente em cargas indutivas, como motores pequenos, sistemas de comando e controle, circuitos de iluminação em geral.

Curva D:             

Disparo magnético entre 10 e 20 vezes a corrente nominal.

Exemplo: Um disjuntor de 20A nesta curva deve operar quando sua corrente atingir entre 200A a 400A.

Os disjuntores de curva D são usados normalmente onde a corrente de partida é muito acentuada, como em grandes motores e transformadores. 

Para não ser confundido com o “A” do ampere (unidade da corrente elétrica), não existe a Curva A. 

1 responder
  1. Orlando C. Robles
    Orlando C. Robles says:

    André gostei muito de seus vídeos e de suas orientações, são bem objetivas e práticas. Gostaria de uma explicação sua para uma instalação elétrica em minha residência. A mesma é um sobrado com 2 pavimentos, tendo 1 QDC em cada pavimento. O Padrão de Entrada fica na distãncia de 28 metros da edificação, pretendo instalar 1 Disjuntor Geral em cada QDC, minha dúvida é se o Circuito de Distribuição for dimensionado para atender ambos os QDCs, é viável fazer um jump no 1º Disjuntor Geral e levá-lo ao 2º Disjuntor Geral. E, para dimensionar os cabos do Circuito de Distribuição comum a ambos os pavimentos devo fazer o Levantamento da Potência Total dos dois pavimentos juntos, bem como, considerar a queda de tensão devido a distância do Padrão? Aguardo sua orientação e agradeço desde já.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *